Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PERDER BEM por Filipe Nunes Vicente

21.03.22

Existe  a clássica ( entre Cila e Caríbdis)  e as da  língua inglesa, menos dramáticas e que não envolvem espadas. Por exemplo: between the rock and the hard place.

O tempo e resistência são as categorias maiores. Viradas para a sobrevivência à perda, dediquei-lhes um livrito ( Educação para a morte, Bertrand 2008) que me saiu do pêlo literalmente, mas isso são outros matos. São categorias gerais. Uma ruptura amorosa, a bancarrota, uma encomenda do diabo ao pâncreas, enfim, todo o mato de erva-de-elefante acoita testes à forma como as combinamos.

No outro dia  dizia a uma mulher ocupada com um teste de peso que quanto mais difícil é a exigência mais possibilidades temos de cortar orelhas  e sair em ombros. Naturalmente achou-me tolo. Mais ou menos. O que lhe quis transmitir-lhe é que quanto pior é o desafio mais possibilidades temos de dar o máximo.
O instinto de sobrevivência é uma droga poderosa. Se já estiveram em situações destas terão dado  conta que tudo parece acontecer em câmara lenta.  É como se quiséssemos apreender tudo, retalhar as fracções de tempo, cavar a trincheira com esmero para não nos escapar nenhuma alternativa. Por outro lado, diante de um ataque leonino o Péricles dentro da nossa  cabeça mobiliza o povo todo.
Mesmo que sejas dado à melancolia fatalista, se estiveres entre a espada e a parede há sempre a esperança ( deixem-me brincar um bocadito)  que ganhes tino: se queres continuar a viver a bela melancolia apoia-te na parede e salta sobre a espada.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub