Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PERDER BEM por Filipe Nunes Vicente

29.03.22

A gente vai-se esquecendo. Não falo do défice cognitivo ( trabalho com isso todos os dias, aqui estou de férias), mas das pessoas. As grandes rupturas são espectaculares, ribombam e fazem eco, mas o deslace, lento e seguro , tem muito mais sumo. A distância, a idade, um outro engulho mal resolvido e la nave va. Sem zangas, apenas com silêncio. Ficam as tradicionais memórias dos  bons tempos bem arrumadinhas ao lado do amargor presente e estelífero da separação.

Um autor  esquecido, Miguel Rovisco, em Cobardias ( Ed Ática 1988) , avisa: a tarefa mais urgente de um adulto não está em recordar-se de todos os ensinamentos do passado, mas em descobrir o meio mais eficaz de esquecê-los. As situações de ruptura abrigam bem  o aviso de Rovisco, mas as do deslace também.
Conheci pessoas que   há quatro, seis, dez anos, sabiam o que recordar,  que  arquivaram as suas experiências e construiram uma base de referências e que se vêem hoje na posição de ter de esquecer tudo. Ao contrário  dessa grande lenda que é o stress pós-traumático ( lenda porque não queremos esquecer, queríamos  era que as coisas se tivessem passado de outro modo) , esta rasura não é causada  pela emoção. É uma escolha racional: o que aprendi não me serve agora de nada.

Isto aplica-se aos deslaces. O que aprendemos da relação anterior à decomposição não nos serve de nada no novo cenário. É outro planeta com uma física própria. Respira-se mal.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub