Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PERDER BEM por Filipe Nunes Vicente

12.08.22

Sou um maníaco de biografias. As mais antigas as de Suetónio sobre malucos romanos,  a mais recente a de um orgão, o Conselho da Revolução, uma cena bem esgalhada pela  Maria Inácia Rezola / David Castaño. Era a mais recente porque levei para a tortura da praia a do Cardoso Pires, autor Bruno Vieira Amaral. De escritores tenho poucas, prefiro as correspondências ( Unamuno/Pascoaes e H.Hesse /Thomas Mann são do lombinho).

Comecei então a ler o livro do BVA em posição de combate ( só um pé atrás, joelhos flectidos). À medida que as páginas corriam tirei as luvas, peguei numa toalha e numa água e sentei-me nos pequenos degraus de acesso ao ringue. Como nas melhores das melhores que tenho sobre políticos, a história de Cardoso Pires consegue isso mesmo: pôr-nos a ler uma história. Ou seja, o homem não  é nem esquartejado nem incensado, o autor não nos incomoda com as suas opiniões, os factos são postos na mesa bem atoalhada.

Ao leitor cabe escolher vitualhas mais ou menos apetitosas, voltar atrás  como numa história - desculpa, repete lá isso outra vez - antecipar desenvolvimentos. A escrita é seca e vivíssima como a do Cardoso Pires; e não conheço melhor forma de lhe  fazer justiça.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub