Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PERDER BEM por Filipe Nunes Vicente

29.04.22

Não podemos viajar em terras que não tenham arquivos,  dizia Gasset ( em La Teologia de Renán), o filósofo vive entre as coisas que se diz terem morrido. Sou apenas um mecânico enfarruscado, a minha garagem é de bairro e não tenho multibanco, mas com o tempo fui-me especializando nos arquivos das vidas das pessoas. E que coisas lá há...
Não me interessa a pantomina psicanalítica cheia de jargão  vazio  que faz dos arquivos um funeral da autonomia do sujeito à mercê das explicações do lançador de búzios atrás do divã. Interessa-me o que lá está enquanto parte viva e consciente do sujeito. Ou seja,  interessa-me como é usado o arquivo.
No outro dia uma mulher jovem acabou por  me dizer: Não gosto do meu pai. Deve  haver poucas coisas mais difíceis de assumir e  precisou de grande coragem.  Contraria um mecanismo político-familiar e faz tábua rasa da genética? Tanto melhor.

Ela não  usa o arquivo como depósito de material acusatório, antes como  elemento estruturador da sua identidade. É a filha que não gosta do pai, a filha que guarda uma  coisa que se diz ter morrido.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub