Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PERDER BEM por Filipe Nunes Vicente

27.02.22

O sentido de tempo, ou da duração, é adquirido quando somos bebés. Constrói-se através do intervalo entre o desejo/necessidade e a satisfação. É por isso que a certa altura o bebé no quarto ouvindo a mãe na sala a dizer  que já vai suporta a fralda molhada ou a fome. Isto é consensual , desde os primeiros investigadores modernos  ( Fraisse) da coisa até alguns pediatras e psicanalistas ( Tustin,  Pollock etc). Dito de outro modo, ganhamos o   sentido de tempo ( e do real)   aprendendo a controlar a frustração.

Para o curioso destes matos isto coloca um problema: o que usamos quando sentimos que alguma coisa  ( por ex, uma relação antiga )  está a acabar? Não desejamos  que acabe mas sentimos  que está a acabar. Ficamos  então frustrados porque a coisa não acaba de vez? Se sim que mecanismo usamos?  Talvez isto explique a paralisia emocional em algumas pessoas. Reagimos ao fim da relação ( tristeza, melancolia), mas também aguardamos , mais ou menos tranquilamente, que a coisa termine de vez porque é esse o nosso desejo.

Por outro lado, é potável a obsessão com o apagar das marcas do tempo no corpo. É uma indústria que se cruza com outras: a  do turismo senior, da máscara de lama e banho de algas etc. Nada a opor, cada um põe o dedo no dique como bem entende.

Outra possibilidade é ir com o tempo. Aceitar que uma relação veterana já deu o que tinha a dar, fazer as pazes com um amigo desavindo, mudar o óleo do motor  do carro na altura  certa. Quando nos despedimos do  amor num aeroporto damos um beijo e contemos as lágrimas, não fazemos sexo.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub